sexta-feira, 13 de abril de 2012

UVAS E VINHOS SEM VEXAME

É preciso saber escolher o vinho, servi-lo corretamente, combinar com a comida, usar a taça adequada e acima de tudo conhecer um pouco de vinhos, tudo isso para não passar vergonha no restaurante ou na festa com os amigos.




UVAS
As uvas viníferas de melhor qualidade e adaptabilidade são as francesas, como as brancas Chardonnay e Salvignon Blanc, alem da alemã Riesling. As uvas tintas Cabernet Sauvignon e Merlot, de Bordeaux, a Syrah, do Vale do Rhône, alem da espanhola Tempranillo e a Nebbiolo, do Piemonte, formam o primeiro time das uvas. Até hoje, foram identificadas cerca de 5.000 variedades de uvas viníferas. Os bons vinhos levam apenas cerca de 50.
TAÇAS
Aqui, estética e funcionabilidade são os critérios a serem observados. De modo geral, as taças devem:

  • Ter bom tamanho. É melhor um recipiente grande do que pequeno.
  • Ser lisa, de fina espessura. Nada de arabesco ou lapidação.
  • Ter pé alto para que se possa pegá-la pela haste, sem deixar marcas na taça ou aquecer o líquido.
  • Ser incolor, para que se possa apreciar melhor o vinho (tonalidade, textura, viscosidade).
  • Ter paredes curvas e bordas fechadas, para melhor apreciação dos aromas. A flûte, ideal para se tomar champanhe, é a exceção.
COMO SERVIR
A Taça só deve ser preenchida, de tal forma que a parte superior fique plena de ar, o que contribui para a apreciação do vinho, que ganha na abertura de seus aromas. A exceção é a taça de champanhe tipo flûte, que deve ser totalmente preenchida dessa bebida ou de outro tipo de espumante, já que o dióxido de carbono se encarrega de levar o buquê até a superfície, não sendo necessário que a taça seja agitada. A perláge (borbulhas) do champanhe pode ser mais bem apreciada com a taça cheia.
SAFRA
A safra significa o ano em que as uvas que compõem o vinho foram colhidas. Não interessa quando esse vinho foi engarrafado. É bom lembrar que alguns vinhos, como a maioria dos portos e dos champanhes, não são safrados, sendo feitos com uma mistura de várias safras.



PRATOS E VINHOS
Carnes vermelhas vão bem com vinhos tintos encorpados. Carnes brancas de aves ou mesmo de porco são boas parceiras de vinhos tintos leves, rosês e brancos com leve passagem por carvalho. Os pescados vão melhor com vinhos brancos e alguns rosês. O bacalhau, que é um peixe especial, pode ser servido com um branco maduro ou um tinto jovem.
A PROVA DA ROLHA
A rolha é feita com a casca de uma árvore chamada sobreiro. Independente da qualidade do vinho, as rolhas podem ser atacadas por fungos, que passam para o vinho um cheiro desagradável de mofo. A bebida é então chamada de bouchoné. O garçom oferece a rolha para ser cheirada pelo cliente para que possa perceber se a rolha foi atacada. Mas a melhor forma de perceber esse desagradável odor é provando o vinho diretamente do copo.
VERÃO E INVERNO
O ar-condicionado dos restaurantes resolveu em parte essa questão. Os brancos rosês e tintos mais leves e menos alcoólicos vão melhor ao verão. No inverno, os tintos mais alcoólicos mandam, principalmente, porque nessa época a tendência é de se consumir pratos mais encorpados. Quem dá o tom do vinho é o prato, e não o clima.

QUANDO DEVOLVER O VINHO

O vinho só deve ser devolvido se estiver “com defeito”. “Muitos clientes extrapolam e devolve o vinho por gosto pessoal, o que não é aceitável”, observa o especialista Aguinaldo Záckia. A oxidação e o bouchoné são os motivos mais freqüentes de devolução de vinhos.




Baixe o artigo em PDF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.